Buddha Quotes

quinta-feira, 14 de março de 2013

Caril de frango à minha moda.






Este prato é um pouco mais trabalhoso, mas a cozinha é um prazer!

Podem ter a certeza que este é o melhor caril que se pode comer.
Com o seu delicado aroma alimado fica simplesmente delicioso...

Se receber algum convite para jantar, se calhar, aceito!



-4 Peitos de frango, sem pele e sem ossos, cortados em cubos

- 500 ml de leite de coco (pode ser de lata)

- Umas sementes de coentros (moídas)

- 2 Colheres (sopa) de manteiga de amendoim

- 1 Colher (sopa) bem cheia de pasta de caril amarelo

- 1 Colher (chá) de canela moída

- 1 Colher (chá) de cardamomo moído (gengibre pode substituir)

- Sumo de 1 lima.

- 1 Pitada de açúcar (eu prefiro um pouco de mel)

 – Sal e pimenta moída na altura

 – Folhas de erva-cidreira q.b.



Colocar os cubos de frango com o leite de coco, as sementes de coentro moídas e a manteiga de amendoim num tacho.
Levar ao lume e cozinhar em lume brando por (+/-) 40 minutos, mexendo de vez em quando.
Retirar os cubos de frango do tacho e reservar.

Juntar a pasta de caril, assim como a canela e o cardamomo ou o gengibre. Envolver muito bem.

Deixar fervilhar em lume médio/baixo até o molho reduzir para metade e ficar com aspecto cremoso.

Regar com o sumo de limão e polvilhar com a pitada de açúcar (ou o mel).

Rectificar os temperos.

Colocar novamente os cubos de frango no tacho e deixar aquecer em lume muito brando.

Depois é só colocar numa travessa e decorar com as folhas de erva-cidreira.

Servir de seguida, com arroz jasmim ou basmati.

Um segredo, eu gosto com batatas fritas!

quarta-feira, 13 de março de 2013

Desabafos...

Ora, apesar de andar completamente desaparecida, achei por bem no intervalo do corre-corre, das birras do "piqueno", do trabalho em casa e fora dela, dar cá um salto para devidamente agradecer à nossa amiga Sónia da Veiga a sua preciosa contribuição com mais duas maravilhosas pessoas para tomarem conta da minha/nossa cozinha na minha ausência: O Manuel e a Mariana! Não pensem que não vos tenho acompanhado, não vos tenho lido com carinho por demonstrarem a genica e garra que me anda a faltar nos últimos tempos. Perdoem a minha falta de presença, mas não me levem a mal e, tal como já disse, sintam-se em casa!
Tenho sofrido uma revolução, nos últimos tempos, com tudo de bom e de menos bom que essas alterações possam trazer. Resolvi nestes tempos conturbados "ser livre". Conceito este que aos poucos vou notando que várias colegas na minha condição estão a ter. O preço a pagarmos pelo privilégio de ter alguém que nos empregue é sermos completamente absorvidas pelos outros de forma a que deixamos de ter vida própria, deixamos de ter direito a sermos verdadeiramente mães, não sabemos se vamos estar disponíveis para nós, para os nossos filhos... deixamos de ter marido (não querendo isto dizer literalmente), deixamos de ter casa, pois "mudamo-nos" para o nosso local de trabalho e para cereja no topo do bolo, muitas vezes não somos levados a sério, não temos direito a ser monetáriamente compensados pelo nosso esforço, pelo nosso tempo... Sempre há algo mais que poderíamos ter feito, mesmo sendo contra os nossos princípios e as nossas opiniões! É assim que está a vida.
Daí que dei o grito final e resolvi andar pelos meus próprio passos, acertando e errando e esperando evoluir. Muitos sabem o difícil que é iniciar uma actividade própria e então nos tempos que correm!
São muitas as preocupações... há dias de felicidade, há dias de angústia e incerteza (muita incerteza), mas tento lembrar-me todos os dias o ser grata.... por mais um dia; por poder finalmente ir buscar o meu filho à escola e receber o seu abraço; por poder decidir pela minha consciência e não estar a agir de forma a agradar apenas aos outros...
É de menos um salário em casa, não sei por quanto tempo. O cinto apertou mais ainda do que já estava. Há sempre surpresas, gastos extra por algo que aconteceu... Há novas reformulações de poupar, de cortes nas depesas ( e como) mas naõ quero baixar os braços. O ânimo não tem sido muito para escrever, mas quero voltar, quero reerguer-me, quero encontrar novas formas de me expandir, como profissional, como mãe, mulher, como pessoa. Tenho planos, tenho sonhos, como toda a gente. Algo de tão grandioso como ser feliz e de que nunca nos falte o essencial!
Qualquer coisa, ando por aqui!
Sejam felizes!

quarta-feira, 6 de março de 2013

Obrigada Amigos! :-)

Ora, enquanto uma trata do seu novo negócio e a outra anda a dar entrevistas para o jornal e na TV sobre as Mães de Transição, a casa, nomeadamente a cozinha, vai sendo mantida em funcionamento pelo Manuel e pela Mariana.

Imagem retirada daqui

Obrigada amigos, pelas vossas constribuições (apesar de também andarem ocupados com os vossos projectos!) e pela vossa compreensão! :-)

A Equipa aumentou ainda mais! :-)

E como toda a cozinha que é cozinha está sempre cheia de gente, de conversa e de calor humano, eis que a equipa tem um novo membro: a Mariana.
E ela até já contribuiu com queques de aveia ainda antes de ser devidamente acolhida! ;-)

Sê muito bem-vinda! :-)

Imagem retirada daqui



terça-feira, 5 de março de 2013



“Queques de Aveia”

NOTA: Esta receita é do programa “Em forma na cozinha”. Fiz algumas alterações: elas juntam passas no fim (eu não gosto) e fazem bolachas em vez de queques (como dá muita massa, para fazer bolachas eu precisava de mais tabuleiros, porque as bolachas crescem para os lados e por isso é preciso dar algum espaço entre elas; mesmo assim, preciso de 2 tabuleiros para levar os queques ao forno). Disseram no programa, que como tem aveia, mantém a pessoa saciada durante mais tempo – é por isso um excelente snack para meio da manhã ou para o pequeno-almoço.

Ingredientes:
- 125g de margarina
- ¾ chávena de açúcar branco
- ¾ chávena de açúcar amarelo
- ¼ chávena de puré de maçã (no programa elas usaram puré comprado mas eu faço rapidamente em casa – para esta receita, basta 1 maçã pequena, descasco e ponho ao lume com água aquecida na chaleira eléctrica para ser mais rápido, no fim, esmago com um garfo e está feito – demora 5 min, 10 min no máximo)
- 2 chávenas de farinha
- 1c  chá fermento
- canela q.b. (eu ponho uma dose generosa, porque gosto bastante do sabor da canela)
- 1 ovo
- 1c café essência de baunilha
- ¼ chávena de leite
- 6c sopa de aveia
- 2/3 chávena de passas (para quem gostar)

Preparação:
Liga o forno a 180ºC.
Junta a margarina com os açúcares e o puré de maçã e bate com a batedeira durante 2 a 3 min, até ficr um cremezinho apetitoso e bonito.
Junta a farinha, o fermento e a canela – bate mais um pouco.
Junta o ovo (gema e clara), a baunilha e o leite – bate mais um pouco.
Envolve a aveia (e as passas, se quiseres) delicadamente.
Enche até meio formas de queques (não são das mais pequeninas, usa das maiores para os queques ficarem grandes e bonitos – no programa fizeram bolachas enormes). Vai ao forno, a 180ºC durante 17 a 20 min.
Eu polvilho com canela quando saem do forno.

Et voilá! Delicia-te.