Buddha Quotes

quarta-feira, 13 de março de 2013

Desabafos...

Ora, apesar de andar completamente desaparecida, achei por bem no intervalo do corre-corre, das birras do "piqueno", do trabalho em casa e fora dela, dar cá um salto para devidamente agradecer à nossa amiga Sónia da Veiga a sua preciosa contribuição com mais duas maravilhosas pessoas para tomarem conta da minha/nossa cozinha na minha ausência: O Manuel e a Mariana! Não pensem que não vos tenho acompanhado, não vos tenho lido com carinho por demonstrarem a genica e garra que me anda a faltar nos últimos tempos. Perdoem a minha falta de presença, mas não me levem a mal e, tal como já disse, sintam-se em casa!
Tenho sofrido uma revolução, nos últimos tempos, com tudo de bom e de menos bom que essas alterações possam trazer. Resolvi nestes tempos conturbados "ser livre". Conceito este que aos poucos vou notando que várias colegas na minha condição estão a ter. O preço a pagarmos pelo privilégio de ter alguém que nos empregue é sermos completamente absorvidas pelos outros de forma a que deixamos de ter vida própria, deixamos de ter direito a sermos verdadeiramente mães, não sabemos se vamos estar disponíveis para nós, para os nossos filhos... deixamos de ter marido (não querendo isto dizer literalmente), deixamos de ter casa, pois "mudamo-nos" para o nosso local de trabalho e para cereja no topo do bolo, muitas vezes não somos levados a sério, não temos direito a ser monetáriamente compensados pelo nosso esforço, pelo nosso tempo... Sempre há algo mais que poderíamos ter feito, mesmo sendo contra os nossos princípios e as nossas opiniões! É assim que está a vida.
Daí que dei o grito final e resolvi andar pelos meus próprio passos, acertando e errando e esperando evoluir. Muitos sabem o difícil que é iniciar uma actividade própria e então nos tempos que correm!
São muitas as preocupações... há dias de felicidade, há dias de angústia e incerteza (muita incerteza), mas tento lembrar-me todos os dias o ser grata.... por mais um dia; por poder finalmente ir buscar o meu filho à escola e receber o seu abraço; por poder decidir pela minha consciência e não estar a agir de forma a agradar apenas aos outros...
É de menos um salário em casa, não sei por quanto tempo. O cinto apertou mais ainda do que já estava. Há sempre surpresas, gastos extra por algo que aconteceu... Há novas reformulações de poupar, de cortes nas depesas ( e como) mas naõ quero baixar os braços. O ânimo não tem sido muito para escrever, mas quero voltar, quero reerguer-me, quero encontrar novas formas de me expandir, como profissional, como mãe, mulher, como pessoa. Tenho planos, tenho sonhos, como toda a gente. Algo de tão grandioso como ser feliz e de que nunca nos falte o essencial!
Qualquer coisa, ando por aqui!
Sejam felizes!

1 comentário:

  1. Muita força e espero que venhas cá de quando em vez fazer o gostinho ao dedo! :-)

    ResponderEliminar